Monstro de Pirituba diz pertencer a uma “seita secreta” que vai atacar igrejas evangélicas.

Siga nossas redes sociais
RSS
Twitter
Visit Us
Follow Me
YOUTUBE
YOUTUBE
Instagram

Guilherme Alves Costa, o assassino confesso – que gravou e divulgou o próprio crime em redes sociais – de Ingrid Oliveira Bueno da Silva, a jovem de 19 anos que foi brutalmente atraída para uma cilada e assassinada a facadas, disse “pertencer a uma seita secreta” e que o seu objetivo e os dos demais membros da seita é “atacar igrejas evangélicas” e “matar pessoas com tiros no crânio”.

Em seu depoimento, Guilherme disse que premeditou o assassinato, pois Ingrid estava “atravessando seu caminho”. Ele alega que tinha um “plano” de atacar igrejas, elaborado por uma “seita secreta”, e a vítima não teria aceito participar da ação.

Guilherme fez questão de divulgar em grupos de WhatsApp vídeos brutais do assassinato, da vitima morta ao lado dele, e dele mesmo, rindo e assumindo o crime hediondo.

Uma das suas frases em um dos vídeos é horripilante:

“Eu realmente matei ela, entendeu?”

O corpo da jovem Ingrid Oliveira Bueno da Silva foi sepultado no fim da tarde da quarta-feira 24/02, no Cemitério Vila Nova Cachoeirinha sob grande comoção.

Um triste e prematuro fim para uma moça que, segundo todos os amigos e familiares, era reservada e trabalhadora.

Quis o destino que um monstro cruzasse o seu caminho.

O caso é investigado pelo 87º Distrito Policial e conforme a SSP-SP, o autor foi preso em flagrante e a Justiça decretou a prisão preventiva dele.

A equipe de investigação entregou o celular do criminoso para a perícia e realiza diligências para esclarecer todas as circunstâncias do crime hediondo.

Vejam abaixo um trecho do “livro” que o assassino divulgou.

 

Se o alegado “grupo” ou “exército” é apenas um desvario, uma fantasia surgida da cabeça do assassino, devemos saber.

A morte da inocente moça apresenta elementos e traços de satanismo e de rituais satânicos – o que não é espantoso, dado o ódio com o qual Guilherme cometeu o ato e a suposta “seita secreta” à qual pertence.

O fato de Guilherme usar o nome de “Flash Asmodeus” no ambiente virtual de jogos do qual participava mostra um relance do que se passa em sua cabeça – Asmodeus é um demônio da luxúria na mitologia demoníaca.

Considerando que Guilherme usava a internet e participava de jogos online de tiro, é bastante provável que tenha se encontrado – virtual ou presencialmente – com indivíduos que pretendem fazer a mesma coisa que ele – matar inocentes.

Cabe agora à sociedade afastar esse ser de nós – e investigar a fundo  se existe realmente um grupo de “terroristas fanáticos” aguardando para atacar e matar pessoas em igrejas evangélicas.

Não faltam exemplos desse tipo em ataques nos Estados Unidos.

E o Brasil tem o péssimo hábito de “importar” tudo o que não presta em outros países.

O fato é que se mais monstros como ele estão à solta – o que não é nada improvável, dado o conjunto de fatos que se apresenta – é o momento da polícia envidar todos os esforços para investigar, identificar e prender todos eles.

Antes que mais vidas inocentes sejam perdidas.

© 2021, Radio Aparecida Web. Agência Senado, Agência Brasil, Brasil de Fato, Rede Brasil Atual, Sputnik News, SSP-SP

Siga nossas redes sociais
RSS
Twitter
Visit Us
Follow Me
YOUTUBE
YOUTUBE
Instagram

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Cursos 24 Horas - Cursos 100% Online com Certificado
Cursos Online com Certificado - Cursos 24 Horas - Matricule-se!