PM prende ativista em Goiás por faixa contra Bolsonaro

Siga nossas redes sociais
RSS
Twitter
Visit Us
Follow Me
YOUTUBE
YOUTUBE
Instagram

Dirigente foi preso com base na Lei de Segurança Nacional, por faixa com a frase “Bolsonaro genocida” colocada no carro.

Mesmo após a Câmara dos Deputados aprovar um projeto que revoga a Lei de Segurança Nacional (LSN) – o texto ainda precisa passar pelo Senado -, a Polícia Militar (PM) continua usando a legislação, aprovada em 1983, durante a ditadura militar, para prender críticos do presidente Jair Bolsonaro (sem partido). Desta vez, a PM de Goiás prendeu um dirigente estadual do Partido dos Trabalhadores (PT) no estado, por causa de uma faixa exibida no seu carro com os dizeres “Bolsonaro Genocida”.

O caso ocorreu na tarde desta segunda-feira (31), em Trindade, cidade da região metropolitana de Goiânia. Arquidones Bites, que é secretário de movimentos populares do PT goiano, foi abordado por PMs que exigiram que ele retirasse a bandeira do veículo, ou seria preso em flagrante.

Após a recusa, ele foi algemado, preso e conduzido até a superintendência da Polícia Federal da capital.

A reportagem do Brasil de Fato teve acesso a dois vídeos. Um deles mostra o início da abordagem, em que um policial justifica a prisão com base no artigo 26 da LSN, que estabelece como crime caluniar autoridades da República, incluindo o presidente, muito embora o crime de calúnia, para se consubstanciar, necessite de prévia representação na polícia da pessoa caluniada – o que não ocorreu no presente caso.

A interpretação dessa forma abusiva da le, levou a uma prisão sem respaldo legal e que tem sido repetida em diversas partes do país para prender pessoas críticas a Bolsonaro.

No outro vídeo, já na PF, Bittes diz que foi agredido pelos policiais durante a prisão.

Levei tanta pancada

Segundo Kátia Maria, que é presidente estadual do PT, ele foi inicialmente levado para uma Delegacia da Polícia Civil de Trindade, que não quis registrar a ocorrência, e só depois foi conduzido para a PF.

A Polícia Civil não quis registrar o caso porque entendeu que não era um crime.

Não satisfeita, a PM trouxe ele para a Polícia Federal, em Goiânia, onde nos encontramos nesse momento. O delegado está ouvindo os policiais, depois vai ouvi-lo. Nós esperamos sinceramente que ele possa ser solto logo em seguida, porque é inconstitucional usar a Lei de Segurança Nacional e fere as liberdades democráticas”, afirmou Kátia Maria, em mensagem de áudio enviado ao Brasil de Fato.

A reportagem entrou em contato com a PM de Goiás para pedir esclarecimentos sobre o caso, mas não obteve resposta.

Já a Comissão Pastoral da Terra Regional Goiás publicou a nota que segue.

Nota de Repúdio contra a Perseguição Política no Estado de Goiás 

A Comissão Pastoral da Terra regional Goiás vêm repudiar a ação da Polícia Militar de Goiás que prendeu o professor Arquidones Bites, defensor de Direitos Humanos dos trabalhadores e trabalhadoras do Campo e da Cidade.

A prisão ocorreu porque Arquidones Bites se recusou a retirar uma bandeira que estava fixada em seu carro particular com os dizeres “Bolsonaro Genocida”. 

Apesar da pandemia e do professor não agir de forma violenta, os PM’s sem máscara agiram de forma violenta, chegando a jogar o professor no chão e o prenderam. 

Entendemos que o Brasil e o estado de Goiás precisa de vacinas. A violência gratuita e a censura só demonstra o tipo de governantes que agem contra o povo!

Atualização: Arquidones Bites foi solto às 21h50 de segunda-feira (31/5).

Edição: Vinícius Segalla

© 2021, Radio Aparecida Web. Agência Senado, Agência Brasil, Brasil de Fato, Rede Brasil Atual, Sputnik News, SSP-SP

Siga nossas redes sociais
RSS
Twitter
Visit Us
Follow Me
YOUTUBE
YOUTUBE
Instagram

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Cursos 24 Horas - Cursos 100% Online com Certificado
Cursos Online com Certificado - Cursos 24 Horas - Matricule-se!