Mais de 400 cidades terão atos contra Bolsonaro neste sábado dia 19/6

Siga nossas redes sociais
RSS
Twitter
Visit Us
Follow Me
YOUTUBE
YOUTUBE
Instagram

Já são 409 atos espalhados por 402 municípios de todas as regiões do Brasil confirmados para as manifestações deste sábado 19 de junho, no chamado #19J.

O número, atualizado no final da tarde de quinta-feira 17/6, já é bem maior do que o primeiro ato, do dia 29 de maio, o 29M, realizado em cerca de 220 localidades.

Agora no sábado, como daquela vez, movimentos sociais, sindicatos, organizações feministas e da juventude vão às ruas em defesa, principalmente, da vacinação para todos e do auxílio emergencial de R$ 600 até o fim da pandemia.

A organização das manifestações do #19J reforça a necessidade de respeito às medidas de prevenção contra a pandemia da covid-19. Pede-se distanciamento de 2 metros e o uso de máscara é obrigatório. De preferência PFF2/N95 ou cirúrgica, embaixo de outra máscara, de pano. Sempre bem ajustadas no rosto, sem vazamentos. Caso possível, pede-se que sejam levadas máscaras extras, pra que se possa trocar depois de algumas horas de uso.

A organização alerta também para não compartilhar garrafas de água, alimentos ou qualquer outro objeto pessoal. De preferência, sair de casa alimentado. Não deve haver abraços ou beijos e é necessário o uso frequente de álcool em gel, especialmente quando antes de se levar as mãos aos olhos, boca ou nariz. Não devem participar pessoas com sintoma suspeito de covid-19, teste positivo ou que tiveram contato com pessoas com sintomas ou teste positivo recentemente. Também indica-se, no deslocamento até o ato, dar preferência para transportes com janelas abertas e usar máscara o tempo todo.

Centrais no 18J

Nesta sexta, véspera das manifestações do #19J, as seis maiores centrais sindicais brasileiras organizaram o dia para conversar com os trabalhadores sobre a situação do país e o descaso do governo Bolsonaro na área social e, particularmente, no combate à pandemia. Também serviu como uma convocação para a mobilização de amanhã. Em São Paulo, presidentes das centrais participaram de ato na portaria da MWM, em Jna zona sul da capital, e falaram também sobre a agenda trabalhista no Congresso.

“O nosso Brasil não tem futuro se continuar nesse caminho. Precisamos de um presidente ou uma presidenta à altura do nosso povo, (à altura) do que o momento exige para que o país possa voltar a crescer no caminho da democracia”

disse Sérgio Nobre, da CUT. Com ele estavam Miguel Torres (Força Sindical), Ricardo Patah (UGT), Adilson Araújo (CTB), José Reginaldo Inácio (Nova Central) e Antonio Neto (CSB).

“No próximo sábado, estaremos nas ruas pelo Fora Bolsonaro! Mas é preciso ir além. É hora de dizer não à reforma administrativa, exigir os R$ 600 de auxílio emergencial e gritar bem alto: vacina no braço e comida no prato!”

disse Antonio Neto.

“Coloque máscara e saia às ruas neste sábado”

reforçou Adilson Araújo.

Força e mobilização

Os seis presidentes assinaram juntos um artigo publicado na quinta (17), pelo Poder360. Cobram, principalmente, vacina para todos, auxílio emergencial de R$ 600, além de defesa do emprego e da renda, combate à carestia e pelo “Fora Bolsonaro”.

As centrais mobilizam-se também contra temas estratégicos que tramitam no Congresso Nacional, como a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 32, a da “reforma” administrativa.

Também resistem ao processo de privatização da Eletrobras e de outras empresas públicas.

“Nas ruas, com todos os cuidados sanitários, vamos afirmar nosso Basta!”

dizem.

Ainda na quinta, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse que as manifestações de sábado são uma convocação da sociedade “para protestar contra o desgoverno e contra o genocídio.

“A sociedade começou a andar”

disse Lula.

O coordenador da Central de Movimentos Populares (CMP), Raimundo Bonfim, disse, em entrevista ao Jornal Brasil Atual, que todos aqueles que defendem a democracia e combatem as desigualdades “não suportam esse governo” e devem participar do #19J.

“Está havendo um levante. O país se aproxima da perda de 500 mil vidas pela covid-19. Bolsonaro é o grande responsável, por não ter adquirido as vacinas no momento adequado.”

© 2021, Radio Aparecida Web. Agência Senado, Agência Brasil, Brasil de Fato, Rede Brasil Atual, Sputnik News, SSP-SP

Siga nossas redes sociais
RSS
Twitter
Visit Us
Follow Me
YOUTUBE
YOUTUBE
Instagram

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Cursos 24 Horas - Cursos 100% Online com Certificado
Cursos Online com Certificado - Cursos 24 Horas - Matricule-se!